Saúde

Lance Notícias | 28/09/2021 15:54

28/09/2021 15:54

12407 visualizações

Dia Mundial Contra a Raiva: importância da vacinação dos animais de estimação

O vírus da raiva é transmitido através da saliva de animais infectados, por mordidas ou arranhões. A raiva é uma das doenças mais letais do mundo. Em conversa com o médico veterinário, João Batista Poncio da Silva, a maioria dos casos de raiva humana vem dos animais domésticos, por conta da convivência mais frequente, por […]

Dia Mundial Contra a Raiva: importância da vacinação dos animais de estimação

O vírus da raiva é transmitido através da saliva de animais infectados, por mordidas ou arranhões. A raiva é uma das doenças mais letais do mundo.

Em conversa com o médico veterinário, João Batista Poncio da Silva, a maioria dos casos de raiva humana vem dos animais domésticos, por conta da convivência mais frequente, por isso a importância da vacinação dos mesmos.

Segundo ele, em todos os estudos que existem ao redor do mundo, quando ocorrem campanhas de vacinação para cães e gatos, se reduz a quase zero o número de pessoas infectadas.

A vacinação é feita com um vírus inativo, e a recomendação é que seja feita a aplicação de uma dose por ano, a partir do terceiro mês de vida do animal.

Em contato com a vigilância epidemiológica foi informado que, em caso de mordida por um animal que tenha suspeita de raiva, o paciente deve se encaminhar imediatamente para uma unidade de saúde, onde os profissionais avaliarão o caso e receitarão o soro antirrábico e a vacina, se necessário. Já em relação ao cão, o mesmo ficará isolado em observação durante dez dias para confirmação de posse da doença.

A data escolhida tem um significado especial, pois em 28 de setembro do ano de 1895, faleceu Louis Pasteur, o cientista responsável pela criação da vacina antirrábica.

Algumas formas de se proteger da doença:

  • Vacinar seu animal anualmente contra a raiva;
  • Não deixar seu animal solto na rua;
  • Informar o comportamento anormal de animais, sejam eles agressores ou não;
  • Informar a existência de morcegos de qualquer espécie em horários e locais habituais;
  • Evitar tocar em animais estranhos, feridos ou doentes;
  • Não separar animais que estejam brigando;
  • Evitar perturbar animais quando estiverem comendo ou dormindo;
  • Não criar animais silvestres ou tirá-los de seu habitat natural;
  • Evitar o contato com saliva de animais doentes;

Deixe seu comentário