Comunidade

Lance Notícias | 22/11/2021 15:43

22/11/2021 15:43

15043 visualizações

Com apenas 19 anos, jovem estuda gastronomia e investe no ramo da confeitaria

A mãe de Cauana Minusculi, sempre gostou de fazer bolos para a família, surgindo daí, o gosto pela culinária. Aos 15 anos, costumava ficar em casa com seu irmão e fazer brigadeiro para eles comerem. Hoje, com apenas 19 anos, Cauana investe no ramo da confeitaria. A jovem comenta que tudo começou em 2019, quando […]

Com apenas 19 anos, jovem estuda gastronomia e investe no ramo da confeitaria

A mãe de Cauana Minusculi, sempre gostou de fazer bolos para a família, surgindo daí, o gosto pela culinária. Aos 15 anos, costumava ficar em casa com seu irmão e fazer brigadeiro para eles comerem. Hoje, com apenas 19 anos, Cauana investe no ramo da confeitaria.

A jovem comenta que tudo começou em 2019, quando surgiu a necessidade de vender brigadeiros na escola para custear um projeto de ciências. Cauana aproveitou uma promoção em um mercado na época e comprou duas caixas grandes, mas logo em seguida, a venda de brigadeiros na escola foi suspensa por conta das regras no município.

Cauana relata que ficou desesperada, pois tinha acabado de comprar duas caixas e precisava usá-las antes do vencimento. Foi aí que surgiu a ideia de iniciar a produção de bolos no pote. No primeiro dia de vendas, a jovem levou uma sacola cheia para a escola e vendeu em questão de poucos minutos. No segundo dia, ela levou outra sacola com 30, e nesse dia vendeu apenas três unidades. A jovem não desistiu e continuou levando, até que conquistou seu público fiel.

Sempre buscando algo a mais, a jovem começou a trabalhar, mas não deixou de vender seus bolos no pote. Estudando pela manhã e trabalhando a tarde, a jovem chegava em casa às 22h e começava a produzir seus bolos para vender no dia seguinte. Por conta da grande demanda de suas vendas, Cauana acabou deixando seu emprego dentro de alguns meses e se dedicando apenas aos bolos.

Duas semanas após ela ter deixado seu emprego fixo e ter se dedicado apenas para a venda dos bolos, a Pandemia surgiu, e com ela veio o medo de não dar certo, mas logo a jovem foi se reinventando.

— Logo pensei em começar a fazer bolos recheados. O primeiro que eu fiz, confesso que ficou incrivelmente delicioso, mas também feio na mesma proporção. Só que consegui vender os três que havia feito, e percebi que era isso que eu queria — comenta.

Segundo Cauana, muitas pessoas ficaram impressionadas com sua mudança total para o ramo de confeitaria, mas que sempre recebeu total apoio de seus pais, sua avó e seu namorado, cada um de uma forma diferente, mas ajudando como podia.

— Em apenas três meses eu estava entregando meu primeiro bolo de andar, era de casamento, e eu fiquei tão feliz que tudo deu certo que decidi levar isso mais a diante — comenta.

A jovem relata que não tinha dinheiro para investir em cursos de confeitaria, pois em Concórdia é uma área pouco investida, então começou a procurar vídeos no Youtube, Instagram, Facebook, e assim foi crescendo e aperfeiçoando suas técnicas, sendo sempre perfeccionista, o que a ajudou bastante.

Na páscoa deste ano, chegaram a produzir cerca de 800 ovos e logo após a páscoa, iniciaram a produção de donuts que estavam em alta na internet. Atualmente, fornecem donuts recheados e brownies para dois estabelecimentos de Concórdia.

Depois de um tempo, a jovem decidiu que era hora de abrir um espaço maior para conseguir atender a demanda, então, contratou a Vera que a auxilia na produção. Hoje elas atendem de forma delivery ou por retirada no local. Para Cauana, a confeitaria sem dúvidas a confeitaria é sua fonte de renda e de felicidade.

A confeiteira ressalta ainda, que elas seguem todos os cuidados de higienização, indiferente de ter ou não a Covid-19.

— Sempre higienizamos as entregas, reposição de estoque e recipientes com álcool 70%, nosso estoque e refrigeradores tem limpeza quinzenal e todas as nossas bancadas ou superfícies são de inox – conclui.

Deixe seu comentário