Comunidade

Marcos Vinícius Pedroso | 17/11/2021 16:11

17/11/2021 16:11

25457 visualizações

Apaixonada por cavalos, menina de 11 anos conquista espaço em provas campeiras

Engana-se quem pensa que rodeio é somente para homens, na cultura tradicionalista as mulheres vêm mostram sua fibra participando e obtendo destaque e importantes premiações nas provas campeiras. Estar em cima do cavalo laçando é uma das paixões da Emili Lopes, de 11 anos. Emili é natural de Seara e laça desde os nove anos, […]

Apaixonada por cavalos, menina de 11 anos conquista espaço em provas campeiras

Engana-se quem pensa que rodeio é somente para homens, na cultura tradicionalista as mulheres vêm mostram sua fibra participando e obtendo destaque e importantes premiações nas provas campeiras.

Estar em cima do cavalo laçando é uma das paixões da Emili Lopes, de 11 anos.

Emili é natural de Seara e laça desde os nove anos, é filha de Valdair Lopes e Sirlei Lopes, e atualmente a família reside em Itá.

— Tudo começou quando eu ia nos rodeios com meu pai que também participa do laço comprido e doma cavalos, o que me influenciou a começar laçar — comenta Emili.

Com oito anos ela já andava a cavalo, mas começou a laçar com nove. Seu pai a presenteou com um cavalo pronto para laço.

— Hoje me sinto feliz fazendo o que gosto e participando dos rodeios com meu pai e meu companheiro Jagunço, que é o meu cavalo — destaca.

Ela foi incentivada pela família e seus amigos do CTG Caudilhos do Oeste em especial: Climar, Yuri e Alex, pois quando seu pai não podia auxiliar ela na saída do brete, eles ajudavam fazendo a armada e acompanhando Emili na hora de laçar.

— Minha maior dificuldade no laço foi conseguir um cavalo adequado, pois sou canhota e as canchas de laço são projetadas para destros — cita.

Emili já praticou outras atividades, como vôlei, balé, gaita, teclado e dança, mas desistiu, pois, sua maior paixão, são os cavalos.

Por motivos da Pandemia participou oficialmente de quatro rodeios.

— Já fui convidada pelo nosso amigo Cezar Cazella para laçar em uma equipe em Jaborá-SC pois faltava uma pessoa da equipe — frisa.

Um dos fatos mais marcantes para Emili foi quando ganhou um prêmio por ser a prenda mais nova no rodeio do CTG Macanudos, em Seara.

— Já tive alto e baixos, mas continuo me dedicando aos cavalos, pois é o que eu amo fazer — Finaliza.

Deixe seu comentário