Comunidade

Lance Notícias | 11/11/2021 16:44

11/11/2021 16:44

25303 visualizações

Amizade e música: conheça a história de três músicos que uniram talentos

Essa é a história de três músicos que se conheceram por meio da música, mais precisamente de Marco Antônio Tedesco, de 14 anos, Elias Gustavo Bollis, de 15 anos e de Marcelo Casarotto, de 33 anos de idade. Por influência do pai, com apenas oito anos de idade, Marco Antônio Tedesco, começou a fazer curso […]

Amizade e música: conheça a história de três músicos que uniram talentos

Essa é a história de três músicos que se conheceram por meio da música, mais precisamente de Marco Antônio Tedesco, de 14 anos, Elias Gustavo Bollis, de 15 anos e de Marcelo Casarotto, de 33 anos de idade.

Por influência do pai, com apenas oito anos de idade, Marco Antônio Tedesco, começou a fazer curso de gaita.

– No início, o curso era na Casa da Cultura, logo depois, comecei a frequentar aula particular com o professor Valdir Dos Santos. Hoje, faço curso com o professor Silvano também da Casa da Cultura – diz.

Junto com Elias e Marcelo, Marco toca gaita e está fazendo aula de técnica vocal para, em breve, cantar também. Entre os planos futuros do jovem, está a conclusão dos estudos e o investimento na carreira musical.

Elias Gustavo Bollis, de 15 anos, estudante e natural de Seara, integra o trio tocando acordeon. Segundo ele, a música entrou em sua vida devido a grande influência dos familiares.

– Minha família sempre me incentivou além de seguirem a tradição. O meu gênero musical preferido é gaúcho – fala.

Elias ressalta sobre os planos de focar nos estudos, e nas horas vagas, seguir tocando e realizando apresentações.

 

 

O searaense e agricultor, Marcelo Casarotto, 33 anos de idade, completa o trio. Músico a mais de 20 anos, ele destaca o amor pelas notas musicais.

– Sempre gostei de música, desde pequeno é o meu esporte. No início, meus amigos me influenciaram, hoje canto, toco violão, gaita e já fui baterista – explica.

Marcelo já teve a oportunidade em tocar em uma banda, fez apresentações em bailes e festas.

Segundo ele, toda música é boa quando tem fundamento, tendo mais identificação com o gênero gaúcha, bandas do sul e sertanejo.

– Como os meninos já sabem bastante músicas, foi um encaixe perfeito. Um dos meus objetivos é continuar aprender cada vez mais além de seguir ensinando e apendendo com os meninos. E claro, nunca deixar a música morrer – finaliza.

O trio se conheceu no Dia do Gaúcho no CTG Seara e Pampa e, de lá para cá, já realizaram diversas cantorias em eventos do município com o objetivo em comum, o amor por música. O que a música une, ninguém separa, né?!

 

Deixe seu comentário